Luís Figo, de Alvalade para o Mundo

A carreira de um dos grandes jogadores do futebol português

Luís Filipe Madeira Caeiro Figo nasceu a 4 de Novembro de 1972 e desde cedo mostrou talento para a prática do futebol.
Inicia a sua carreira no Pastilhas, clube da Cova da Piedade, zona onde habitava.
Em 1984 capta a atenção do Sporting que não hesita em trazê-lo para a sua formação.

Posteriormente, percorre todos os escalões de formação e torna-se presença assídua nas equipas jovens da selecção nacional, ajudando a conquistar o Europeu sub-16 em 1989.

No dia 1 de Abril de 1990 estreia-se pela equipa sénior do Sporting, sob o comando de Raul Águas.

Em 1991 ajuda a seleção portuguesa a triunfar no Mundial sub-20 em Lisboa.
Tudo indicava que seria nesta época que assistiríamos à afirmação de Figo, contudo não disputa qualquer jogo na 1ª divisão nessa temporada.

No ano seguinte conquista o seu lugar como titular na equipa leonina e logo se torna a coqueluche dos adeptos, fazendo a estreia pela seleção principal nessa mesma época.

Ao todo soma 6 temporadas no clube de Alvalade e conquista uma Taça de Portugal.

Em 1995 chega à Catalunha onde realiza 5 temporadas, afirma-se como um dos melhores jogadores do futebol mundial, conquista vários títulos e torna-se capitão dos “blaugrana”.

Após o Euro 2000, Florentino Pérez apresenta Figo como trunfo eleitoral na campanha para presidente do Real Madrid e paga a claúsula de rescisão cifrada nos 60 milhões.
Esta notícia foi uma autêntica bomba especialmente para o Barcelona que perdeu assim um dos seus mais emblemáticos jogadores.

O jogador português passa a ser visto como um traidor em Barcelona, sendo apelidado de “Pesetero”, e sempre que joga em Camp Nou enfrenta um ambiente hostil e adverso.

O ano de estreia em Madrid é um sucesso, culminando com a conquista a Liga Espanhola.
É também eleito o melhor jogador do futebol mundial sendo premiado com a Bola de Ouro do France Football.

Em 2004 capitaneia a Seleção Portuguesa no europeu realizado no próprio país, conseguindo atingir a final que é perdida para a Grécia (1-0).
Abandona a seleção nacional como o mais internacional de sempre, contando com 127 internacionalizações e 32 golos.

Em 2005/06 sente que o seu tempo em Madrid terminou e transfere-se para o Inter de Milão com o principal objetivo de ganhar o “Scudetto” que fugia ao clube italiano desde a época 1988/89.
Representa os “nerazzurri” durante 4 anos e nesse espaço de tempo ajuda o clube a sagrar-se tetracampeão.

Retira-se no final da época de 2008/09 como um dos maiores jogadores de sempre do futebol português acumulando diversos títulos e sucessos na sua carreira.

Veja aqui:

Receção a Figo (Real Madrid) no Camp Nou

Alguns dos melhores momentos da carreira do jogador

TAMBÉM PODERÁS GOSTAR